Ateu, graças a Deus!

terça-feira, 19 de março de 2013

Nota de repúdio ao trote racista e sexista da UFMG

Filed under: Coisa boas, Crítica, Discriminação, Idade Média, Preconceito, Racismo — Tags: — Lealcy B. Junior @ 19:08:02

A Humanidade, se fosse uma pessoa, envergonhar-se-ia de muita coisa de seu passado; passado este que contém muitos episódios verdadeiramente abjetos. Enquanto humanos, faríamos minucioso inventário moral de nós mesmos; enquanto partícipes do que convencionamos chamar ‘Humanidade’, relacionaríamos todos os grupos ou pessoas que por nossas ações e omissões prejudicamos e nos disporíamos a reparar os danos a eles causados.

Vigiaríamos a nós mesmos, o tempo todo, para que individualmente e enquanto grupo, não repetíssemos nossos vergonhosos e documentados erros. Pais conscienciosos, ensinaríamos as novas gerações os novos e relevantes valores morais que tem de pautar nossas condutas, palavras e intenções.

Dois desses episódios, chagas profundas e fétidas de nosso passado humano, são a escravidão e o nazismo. No primeiro, tratamos outros seres humanos como inferiores; os açoitamos; os forçamos ao trabalho; os ridicularizamos (dizendo que eles eram feios, sujos, burros, seres humanos mal acabados e não evoluídos); procuramos destruir seus laços com a terra amada, sua cultura, sua língua; dissemos que eles não tinham alma enfim. No segundo não era diferente; mesmas ações, alvos expandidos: pessoas negras, judeus, homossexuais. Todos tratados com o mesmo desrespeito.

O tempo passou e como as chagas permanessem, fizemos um meio-trabalho: criamos leis. Leis como a 7.716/89, que qualifica o crime de racismo e depois a Lei 9.459/97 (que inclui o parágrafo 1 no artigo 20 da já referida Lei 7.716/89, mencionando a fabricação e uso de símbolos nazistas). Infelizmente, nem mesmo a força da lei tem sido suficiente.

O que vemos é, em toda parte, ressurgirem graves violações dos Direitos Humanos outrora perpetradoss. O que seria motivo de vergonha vem ganhando o espaços públicos, por meio de recursos custeados pelo Estado; um Estado que se auto declara ‘Democrático de Direito’; um Estado que tem como fundamento a DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA (inciso III do artigo 1 da Constituição de 1988).

Sim, foi isso mesmo o que você leu: na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), alunos do curso de Direito (sim, um curso cujo objetivo é formar profissionais que serão essenciais à Justiça e à defesa desse propalado Estado Democrático de Direito) fizeram um trote onde, sob a desculpa de fazer piada usaram saudações nazistas e representações racistas e sexistas.

A notícia, amplamente divulgada na mídia, vocês podem ler aqui.

Mas não é só: infelizmente nesses últimos meses, tomamos contato com episódios igualmente repulsivos ocorridos em universidades: na Politécnica (Faculdade da Universidade de São Paulo, também mantida com recursos públicos), vimos alunos divulgarem uma gincana, onde uma das ‘provas’ era algo cometer assédio sexual.

Leia aqui e aqui.

E isso logo após alunos de uma outra Universidade (também da USP, na cidade de São Carlos) , agredirem manifestantes que criticavam um trote que vilipendiava a imagem feminina.

Todas essas condutas, perpetradas por alunos que deveriam estar recebendo instruções aptas a torná-los profissionais e cidadãos mais éticos (afinal, é para isso que todos os cursos contém em suas grades a matéria denominada ‘Ética’), mostram que beiramos a um perigoso retrocesso no quesito ‘Direitos Humanos’.

Sendo os Direitos Humanos imprescritíveis, inalienáveis, irrenunciáveis, invioláveis e universais, efetivos e interdependentes, não pode haver NENHUMA tolerância a qualquer ato ou gesto que os ameaçem.

E é por isso e também por tais atos (perpetrados nas três universidades citadas) constituirem verdadeiro incentivo à propagação de discursos preconceituosos e de ódio, é que os coletivos assinam a presente nota de repúdio, esperando que autoridades constituídas tomem as providências cabíveis para apenar exemplarmente os responsáveis. Leis para isso já existem; mas para que os direitos ganhem efetividade é preciso sua aplicação.

Esperamos também que as pessoas que lerem a presente também façam um reflexão sobre o rumo que nossa Sociedade está tomando. Não queremos o retrocesso. E se você compartilha conosco desse sentimento, dessa vontade de colaborar com a construção de uma Sociedade melhor, não se cale.

Nós somos negros; nós somos mulheres; nós somos gays; nós somos lésbicas; nós somos transsexuais; somos nordestinos; adeptos de religiões minoritárias. Somos as minorias que diuturnamente temos de conviver com o menoscabo de nossas imagens; com atos que naturalizam a violência; que criam verdadeira cisão entre Humanos; que reabrem as chagas e as fazem sangrar. E nós não vamos nos calar. O estandarte, escudo e espada emprestaremos da Themis, a deusa da justiça; usaremos a lei e exigiremos o seu cumprimento.

Aos estudantes de Direito que fizeram uma tal ‘brincadeira’repulsiva, lembramos:

‘Ubi non est justitia, ibi non potest esse jus’
Onde não existe justiça não pode haver direito

Assinam a presente nota as páginas:

1) Feministas do Cariri
2) Homem Feminista de Verdade
3) SlutShamingDetected
4) Transexualismo da Depressão
5) Renovação Negra
6) Ativismo de Sofá
7) Liga Humanista Secular do Brasil
8) Oyá Feminista
9) Ogums Toques
10) Blogagem Coletiva Mulher Negra
11) Catavento
12) Preta&Gorda
13) Luciana Nepomuceno
14) Denise Arcoverde
15) Biscate Social Club
16) Niara de Oliveira
17) Vertov rox
18) Rádio caruncho fm livre
19) Editora artesanal monstro dos mares
20) Cinezine cineclube
21) Centro de estudos humanistas, libertários e anarquistas
22) José Ricardo D’ Almeida
23) Luluzinhacamp
24) Lucia Freitas
25) Blogueiras Feministas
26) Acharolastra
27) Mulheres Notáveis
28) Ofensiva contra o machismo
29) Chopinho Feminino
30) Gilson Moura Henrique Junior
31) Adriana Torres
32) Machismo chato
33) Luka Franca
34) Fatima Tardelli
35) Moçe, você é racista
36) Feminista Cansada
37) Cartazes e Tirinhas GLBT
38) Associação de Homens contra a violência à mulher
39) Não basta ter orgulho de ser hetero
40) Aline Valek
41) Consciência.blog
42) Meninas Black Power
43) Blogueiras Negras
44) Bidê Brasil
45) Entre Luma e Frida
46) Escreva Lola Escreva
47) Cozinha da Matilde
48) Larissa Santiago
49) Questões Plurais
50) Gordas e feministas
51) Preta & Gorda
52) Gizelli Souza
53) Cecília Santos
54) Mulheres em Movimento Mudam o Mundo
55) Associação dos Ciclistas Urbanos de Belo Horizonte
56) Ateu, Graças a Deus!
57) Expondo a ferida

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Os números de 2012

Filed under: Ateísmo, Coisa boas — Lealcy B. Junior @ 19:03:10

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2012 deste blog.

Aqui está um resumo:

19,000 people fit into the new Barclays Center to see Jay-Z perform. This blog was viewed about 64.000 times in 2012. If it were a concert at the Barclays Center, it would take about 3 sold-out performances for that many people to see it.

Clique aqui para ver o relatório completo

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Histórias da Bíblia: Abraão

Filed under: Amor cristão, Bíblia, Crítica, Cristianismo, Deus, Humor, Religião — Lealcy B. Junior @ 16:26:18

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Meu deus!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

O contexto seletivo dos cristãos 2

Filed under: Ateísmo, Bíblia, Deus, Religião, Sem noção, Uncategorized — Lealcy B. Junior @ 22:32:53

20120125-233236.jpg

sábado, 21 de janeiro de 2012

De alianças a anéis

Filed under: Ateísmo, Bíblia, Deus — Tags:, , , , , , — Lealcy B. Junior @ 14:21:16

Por Fátima Tardelli
Uma coisa que sempre discuto com os cristãos é o livre arbítrio; muitas e muitas vezes perguntei a eles como deus teria dado um livre arbítrio ao homem (livre arbítrio esse que não seria desrespeitado) e, ao mesmo tempo, desrespeitado o de Jonas.

Sim, Jonas. Ele não queria de jeito nenhum ir pregar numa certa cidade e resolveu tomar um navio que ia na direção oposta. Deus mandou tempestades terríveis assolarem o navio, até que a tripulação desse navio descobriu que as tempestades estavam acontecendo porque Jonas teria desobedecido a ordem divina e jogaram o cara na água. Daí veio um peixe (ou uma baleia) e vocês já sabem o resto da estória.

Todas as pessoas para quem eu perguntei isso disseram que deus havia desrespeitado o livre arbítrio de Jonas porque Jonas fazia parte de um povo que tinha uma ‘aliança’ com Deus e essa aliança justificaria o tal desrespeito. Quando me respondem isso, eu torno a perguntar como Deus poderia ter desrespeitado o livre arbítrio do faraó, por ocasião do êxodo, já que dito faraó não fazia parte de um povo contratualmente vinculado por essa tal ‘aliança’.

Sim, o tal faraó teria querido deixar os hebreus irem embora, mas Deus teria endurecido o coração dele. O porquê desse endurecimento ninguém nunca conseguiu me explicar: se o objetivo era os hebreus, após libertos, irem em busca da terra prometida; o ato divino de endurecer o coração só fez postergar o alcance desse objetivo. Ou será que deus queria só uma desculpa para matar aquele mundaréu de egípcios?

Essa aliança divina não é, porém, o objetivo dessa postagem. O anel que quero falar é outro, muito mais importante: o Anel de Giges. Essa alegoria foi escrita por Platão (“A República”, II, 357-368); Giges era pastor e encontra um anel que o torna invisível. Ele veste o anel, vai até o palácio, seduz a rainha, mata o rei e toma-lhe o lugar.

A conclusão daí tirada seria essa: se existisse tal anel, ninguém preservaria a justiça, pois no momento em que qualquer um pudesse pegar sem medo o que bem entendesse sem que os outros soubessem do mal que fazia; todos tenderiam para o mesmo fim, não havendo portanto, diferença alguma entre o homem bom e o homem mau.

O que frearia os impulsos humanos para o mal seriam, portanto, a reprovação e a punição que receberíamos por nossas condutas. Não seríamos bons, seríamos hipócritas.

Mas não é bem assim que a banda toca. André Comte Sponville, no seu livro ”Tratado do desespero e da beatitude I’ (que no Brasil foi traduzido para ‘Viver’, sabe-se lá porque) convida o leitor a um teste: você tem o anel. Só por ter esse anel você se permitiria TUDO? Dar-se-ia ao luxo de estuprar, matar e roubar? Não. Se tivéssemos o anel certamente faríamos coisas que não nos permitiríamos sem ele; mas também existem coisas que, com ou sem ele, nos vedaríamos a fazer.

Os cristãos gostam muito de dizer ‘sem deus tudo é possível’; Datena foi um exemplo de tal comportamento, ao dizer que ‘quem não tem deus no coração é capaz de fazer tudo’. Ledo engano, o deles. A moralidade existe independentemente da religião, e se você só deixa de fazer coisas erradas porque é temente a deus (porque teme a ira dele e crê que sendo bom receberá uma recompensa); a bem da verdade você não é bom ou justo. Você é hipócrita e vendido.

Existem ateus canalhas, assim como existem religiosos canalhas. Do mesmo existem ateus bons e religiosos bons. A religiosidade ou a não-crença não tornam a pessoa boa ou má. E a aliança perfeita da humanidade seria aquela em que o ser humano se comprometesse a tentar ser o melhor que puder, independente do julgamento alheio ou da existência ou não de Deus.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Capitão Melquisedec, policial cristão

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Manual do pastor bem sucedido

Filed under: Ateísmo, Bíblia, Crítica, Cristianismo, Deus, Humor, Religião — Lealcy B. Junior @ 14:37:48

Construindo sua igreja

  1. Não monte sua igreja do nada, isso é trabalhoso demais. É muito mais fácil você pescar no “aquário dos outros”. Entre em uma igreja já estruturada, tente penetrar na liderança e quando você conseguir conquistar a confiança de todos, rache a igreja. Isso não é errado, mesmo porque grande parte dessas igrejas é formada de “rachas”. Lembre-se: “Pastor que rouba Pastor, tem 100 anos de perdão”.
  2. Depois que você levantar o motim, alugue uma loja bem simples e consiga algumas cadeiras, crie um nome bem chamativo para sua igreja e reúna os amotinados. Pronto, você está no caminho certo.

Arrecadando para o crescimento

  1. Mostre as deficiências estruturais da igreja e a necessidade de pagar o aluguel. No começo da “empreitada” não compre microfone, comece a berrar (mesmo sem necessidade), os fiéis vão perceber que você está ficando sem voz e vão compadecer de seu sofrimento, isso significa mais coração aberto para as ofertas e dízimos.
  2. Faça “desafios” para a igreja, isso os motiva a doar mais. Mostre que por causa do seu empenho na obra sua família está passando necessidade.
  3. O povo gosta de ter a casa própria, então faça a campanha do “Lote Próprio” para a construção da sede.
  4. “Evangelize”, evangelize muito. Quem planta colhe.

A homilética no culto

  1. É necessário um pouco de desconhecimento da língua portuguesa. Fale errado, não faça a conjugação verbal certa. Ex: “Nós VAI” OU “A gente VAMOS”. Isso chama a atenção das pessoas, confesso que não sei o porquê, mas tenho certeza que funciona.
  2. Grite, grite e grite, pois todos nós sabemos que o demônio é surdo.
  3. Sapateie, faça malabares com o microfone, não fique parado na hora da pregação. O povo gosta de ver o Pastor dá o sangue e suor pela igreja.
  4. Importante, jogue toda a responsabilidade dos erros e fracassos do povo nos ombros do capeta. Isso é eficaz, a pessoa vai se sentir mais confiante, mais aberta a ofertar. As pessoas não gostam de assumir a responsabilidade por sua incompetência seja em que área for, jogue toda culpa pro demônio.

Hermenêutica

  1. Invente um monte de proibição e fale que está na Bíblia. Isso levará o povo a te respeitar mais. Ficará conhecido como “homem de princípios”.
  2. Tudo que fizer e pregar ponha à “culpa” em Deus. Isso mesmo, tudo está na Santa Bíblia.
  3. Invente casos para ilustrar seu sermão. Faça uma lavagem cerebral sadia no povo.

Campanhas e mais campanhas

  1. Faça campanhas. Ex: “A Prosperidade”, “Quebrando Maldição”.
  2. As campanhas são uma bela desculpa para fazer desafios e barganhar com Deus. Peça as pessoas para fazer sacrifícios ($$$) para Deus em troca de seus anseios.
  3. Um grande exemplo é o pastor Marco Feliciano, ele lançou uma campanha onde você deposita em sua conta R$ 7,00 e ele ora por você. Genial!
  4. Lembre-se, tudo que você for fazer na Igreja diga que foi Deus que te ordenou. E o mais importante, mentir e omitir fatos são necessários para preservação do “rebanho”. Agora você já está mais do que preparado para montar a sua Igreja e faturar uma boa grana.

Adaptado de uma postagem no grupo de discussão “Ateus – BR”.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Vamos estudar a Bíblia?

Filed under: Bíblia, Crônica, Cristianismo, Judaísmo, Religião — Lealcy B. Junior @ 16:13:01

Foi tão traumático que me lembro disso até hoje: a única vez, no meu tempo de estudante da USP, em que uma jovem bonita e desconhecida tomou a iniciativa de puxar conversa comigo foi para me convidar para um grupo de estudo bíblico. Em minha defesa, digo que resisti bravamente.

Continue lendo…

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Como as pessoas me veem

Como as pessoas me veem quando digo que sou ateu.

Como as pessoas me veem quando digo que sou ateu.

Older Posts »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 84 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: